05.10.2017

um domingo CARIOCA

Geralmente, nos finais de semana, quando estou no Rio, costumo pedalar com Paco em passeios mais longos, às vezes até o Cristo. Subimos a Vista Chinesa, passamos pela Mesa do Imperador, Alto da Boa Vista, Paineiras… Além de ser um programa delicioso, saudável, faz bem à alma.

No domingo passado, trocamos a montanha, que nós dois amamos tanto, pela praia, e fomos até Grumari. Uma opção para aproveitar o dia lindo de sol, com a temperatura super agradável. Mudamos o roteiro não por desejo nosso, mas por causa do cenário de violência da Rocinha, nas duas últimas semanas. Nosso desejo era sair de casa, no Jardim Botânico, já pedalando, mas achamos perigoso. Ainda pensamos em deixar o carro em São Conrado, mas lembramos do túnel, que fica próximo à Rocinha, e preferimos deixá-lo no início da Barra. Embora o túnel tenha uma ciclovia nova não quisemos arriscar. A gente sabe que dentro dos túneis costumam roubar bicicletas.

As escolhas que fazemos, hoje, na nossa cidade são movidas por precaução e medo antes de tudo. Em função da insegurança criamos alternativas de lazer. A parte da ciclovia que caiu no ano passado continua interditada, sem nenhuma placa indicando perigo e sem nenhuma corrente de proteção. Colocaram pedras enormes, mas mesmo assim vimos pessoas passando por cima delas.

No início da Barra fomos pedalando até Grumari, em torno de 50 quilômetros entre ida e volta. Tivemos a sorte de ver uma prova de triatlo. Desde a Barra da Tijuca até o final do Recreio a pista de asfalto estava fechada para carros e totalmente livre para nós. Acabou sendo um programa raro, um pedal maravilhoso, seguro, podendo curtir a beleza daquela área do nosso Rio de Janeiro.

Em Grumari tive vontade de fazer pipi e há um banheiro, muito bem cuidado, no estacionamento de carros.  Quando cheguei perto tinha uma senhorinha com muita idade, sentadinha ao lado de uma placa: Banheiro, R$ 3. Quando saí disse a ela: Desculpe, não achei a válvula do vaso sanitário. ‘Não se preocupe, minha filha, é assim mesmo, eu jogo a água com o balde, respondeu. Isso mexeu muito comigo, pois está evidente a realidade que vivemos, ao nos deparar com a violência, com o descaso com a população.

Na volta do pedal e de encontro aos meus pensamentos, lembrei de uma viagem recente que fiz à Croácia, terra que foi devastada com guerras até 12 anos atrás, e que hoje está totalmente preparada para o turismo. Os banheiros públicos são impecáveis, com espelhos enormes, sabonete… e nos portos, os chuveiros me chamaram a atenção. Muitas vezes, melhores do que os de muitos barcos. Lá também a natureza é estonteante, mas as autoridades sabem a importância do turismo nos mínimos detalhes e reconstruíram tudo. E nosso país, tão rico, belo e grandioso vive um descaso generalizado. Fica aqui o meu lamento. Acho que nos resta tomar consciência e, de alguma forma, participar de uma possível melhora da nossa cidade, do nosso país, pensando nos nossos filhos.

Agora já sei, da próxima vez que for a Grumari vou levar um biquíni e dar um mergulho!!!

Comente pelo Facebook
Comente pelo blog
  1. Vera Balteiro
    em 05 de outubro de 2017 - 18h33

    Roberta, é tanta Coisa bacana a cada semana, e o tema de hoje merece Reflexão…
    Dá mesmo vontade de sair de bike por aí.Voce focou tudo de bom e de importancia.
    Lindas fotos.
    Delicia .

  2. patricia xavier
    em 06 de outubro de 2017 - 11h19

    Lindo este post Roberta! Uma pena o nosso país, com uma natureza tão rica e exuberante não ter o minimo de infraestrutura. Mas um dia isto muda! Bjo grande

  3. Iriana Bottene
    em 06 de outubro de 2017 - 23h06

    Adorei seu post … com certeza vou seguir com vcs

  4. Vicky
    em 06 de outubro de 2017 - 23h07

    Saber aproveitar o Rio e’uma arte . Faremos de tudo para não nos deixar abater Boa Roberta‍♀️‍♀️‍♀️‍♀️‍♀️‍♀️

  5. Magda
    em 07 de outubro de 2017 - 00h00

    Pois é Roberta. Temos uma longa estrada a percorrer até que possamos oferecer um bom turismo. O que é uma pena, porque nossa cidade é uma das mais bonitas do mundo!
    Ainda bem que não foram assaltados!
    Nossa liberdade está cada vez mais restrita e educação que é a única saída esquecida pelos nossos governantes!
    Adorei seu texto! Adoro você, sua loja e as pessoas que você tem por perto. Beijos e até semana que vem!

  6. Lilian Saad
    em 07 de outubro de 2017 - 08h29

    ROberta , achei bem bacana seu post. Parabéns

  7. em 07 de outubro de 2017 - 10h05

    Concordo com nossa querida Flávia Jucá! É muito desconfortante ver o descaso da cidade. No fim de semana passada fiz uma caminhada desde Copacabana até São Conrado e ao passar pela Niemeyer , constatei que as partes fechadas com blocos de cimento são usadas normalmente , inclusive por mim, que não me arrisquei a ir pela estrada. E fica a pergunta: Como podemos aturar todo esse descaso com tanta paciencia? A resposta: Com esses belos passeios e com textos deliciosos como o seu, Roberta querida! Bjss

  8. Marion
    em 07 de outubro de 2017 - 18h29

    Roberta adorei a sua descrição do belo e do não tão belo.
    Eu estou na Toscana para um tour de bike de 6 dias. Tudo eh maravilhoso. As estradas on Road bem como off road
    Sem falar nas cidadezinhas nas quais se pode parar para café ou gelato sempre com banheiro impecavel e preços corretos.
    Torcendo para podermos num futuro próximo desfrutar das belezas e charme do Rio.

Voltar para o Topo