01.06.2017

por que UM BLOG?

 

A revolução digital é mais um impulso de comunicação. Como sou movida a impulsos, por que não me aventurar em nova experiência? Um blog!

Sinto que nesse momento preciso me comunicar mais. Tenho vontade de partilhar com mais pessoas um projeto que já tem 11 anos e meio, a Dona Coisa, com tantas histórias e novas experiências que surgem a cada dia.

Quem me conhece sabe que não consigo viver sem inventar novidades – não paro de promover eventos -, e, normalmente, não faço uma só coisa ou uma coisa de cada vez. Se não estiver tudo misturado, ao mesmo tempo, agora, não acho muita graça. Ecos do tempo do mercado financeiro, talvez, quando fui operadora de open e de bolsa. Desde muito jovem gosto de fazer inúmeras coisas ao mesmo tempo e de ter approaches diferentes. Às vezes, meu dia vira um turbilhão e nunca sei como terminará, e muito menos como será o dia seguinte. Isso tem a ver com minha personalidade e minha formação. Com o blog coloco mais um pouco de adrenalina em minha vida!

Sempre digo que a Dona Coisa é um desdobramento dos meus desejos. Na multimarca, no café da loja, DC Lá Em Cima, e na Nº Dez, nossa própria marca, estão as escolhas que faço. Sinto muito prazer em conviver o tempo todo com o que considero belo, confortável, gostoso… Na Dona Coisa estão as coisas que amo, que descubro para oferecer às pessoas. Quando percebo que algo me emociona procuro ter na loja. Embora o foco principal seja a moda, as joias, os acessórios e os objetos reforçam a ideia de exclusividade. Não ter um padrão definido pode ser surpreendente!

Hoje sou uma mulher feliz com a minha identidade, com minhas qualidades e meus defeitos. Penso que devo muito ao meu trabalho na loja. Não sei como eu seria sem ela, só sei que minha personalidade, meu estilo, minha vida, minha autoestima estão muito ligados a esta realidade profissional.

Fui pioneira em abrir um negócio diferenciado na Rua Lopes Quintas, no Jardim Botânico. Lembro que a primeira matéria sobre a loja dizia: “Tinha tudo para dar errado a começar pelo nome, Dona Coisa, e numa rua que não tinha nenhuma atração de consumo”. Em seguida dizia: “No entanto, é uma loja muito simpática…” só elogio. Respirei aliviada.

Hoje brinco que vendo de pãozinho de queijo a um objeto de design caríssimo passando por flores, livros, papelaria, arte… E tudo mais que me encanta, me motiva e me traz felicidade. Penso que a Dona Coisa pode causar as mesmas emoções para quem a frequenta.

Acredito que o blog possa atingir ainda mais pessoas que se sensibilizam com beleza aliada à qualidade. Como sou exigente quase nunca fico satisfeita com o que consegui. Acho tudo pouco e sempre quero mais. Meus amigos costumam brincar comigo por causa disso, mas gosto de partilhar as coisas que, efetivamente, me dão prazer. Então, a música que ouço em casa, as flores que escolho para os ambientes, a comida… ‘quase’ tudo o que adoro na minha casa está na loja. As minhas consumidoras já entenderam esta proposta.

Considero muito luxuosa a minha vida, porque tenho tempo para trabalhar, andar de bike e estar com as pessoas queridas ao meu lado. É um privilégio poder viver em busca de coisas belas, pois tudo isso me traz imenso prazer. Acho que minha força e vivacidade vêm daí. Estou animada em partilhar experiências no mundo digital. Acredito que vale a pena construir um caminho próprio.

Afinal, o blog não deixa de ser uma maneira de preservar o efêmero!

Comente pelo Facebook
Comente pelo blog
Voltar para o Topo