19.04.2018

jil SANDER

Minha amiga alemã leu a entrevista da Jil Sander, no jornal SZ, a propósito da primeira retrospectiva de sua carreira que está no Museum of Applied Art, de Frankfurt. Se lembrou de mim, pois sabe que sou fã dela e da marca. Ela acha que temos algumas coisas em comum, o que me deixa orgulhosa. Senti o desejo de partilhar com vocês o conteúdo tão sincero do texto.

“Jil Sander: Present Tense” fica em cartaz até 6 de maio de 2019. Muito moderna e dinâmica, aos 74 anos, ela foi a curadora da própria exposição junto com Matthias Wagner K., diretor do museu. A obra de uma das mais importantes estilistas contemporâneas, consagrada pela visão minimalista com forte influência da arquitetura e do design masculino, pode ser vista em instalações, roupas, acessórios e perfumes. Mas também em fotos belíssimas das campanhas de moda clicadas por Peter Lindbergh, Nick Knight, Craig McDean, David Sims e Irving Penn.  poderosos!

Iniciou a carreira como engenheira têxtil e editora de moda sempre fazia algumas modificações nas roupas. “Achava a moda um pouco antiquada e queria tirar os excessos usando tecidos andróginos. As modelagens femininas me pareciam problemáticas, pois deixavam as mulheres estereotipadas. A roupa deve acentuar, antes de tudo, a personalidade e a feminilidade. Aos 26 anos, disse para mim mesma: Eu posso fazer sozinha”.

A marca Jil Sander nasceu em 1969 e começou a desfilar em 1975, mas foi no começo da década de 90 que causou uma ‘revolução’ no mundo da moda. No auge do sucesso, em 1999, Jil Sander vendeu para a Prada 75% da marca que leva seu nome. Voltou por duas vezes para assinar o estilo, em 2003 e 2012, passagens rápidas. A experiência não deu certo e depois disso se afastou de vez por razões pessoais, segundo ela. “Muitas pessoas que vendem o seu negócio dizem que a gente nunca deve voltar, talvez eu estivesse me sentindo como uma mulher divorciada que sentia falta dos filhos. Mas posso dizer, hoje, que digeri tudo muito bem”.

Antes de ser editora de moda ficou um ano na Califórnia num programa de intercâmbio. “Sentia desejo de liberdade e essa viagem foi um divisor de águas em minha vida. O impulso que, há 50 anos, me levou a viajar foi o sonho de ser livre como um pássaro. Na Alemanha Ocidental, quando eu tinha 24 anos, a gente só conhecia o lado esportivo da Califórnia através de posters”.  Ela confessa que, de alguma forma, conseguiu traduzir essa beleza solar para a visão europeia. Não enfeitava a roupa, usava a presença física e fazia aparecer o corpo através de cortes modernos. Tentei desmistificar o corpo. Na verdade, o que me importava era a personalidade e a postura da modelo!”

Foi visionária ao se interessar pela nova cultura dos tênis, e já tinha começado a produzir os próprios tênis, que eram super sofisticados e elegantes, quando fez uma parceria com a Puma, “Quando foi lançado o primeiro modelo, em pelica, linha boxer, luxuoso, o sucesso foi tão grande que em Tóquio as consumidoras faziam filas enormes na frente da loja!”

Sobre sua vida pessoal, no catálogo da exposição, ela diz: “Para mim, o pensamento livre é muito mais importante do que classificar as pessoas em homens e mulheres. A liberdade consiste justamente em se libertar desses conceitos. Eu, como designer, sempre procurei colocar na roupa, em primeiro lugar, a personalidade da pessoa”.

Na exposição há um vídeo do maravilhoso jardim inglês de sua casa que surpreende pela beleza e história. “O jardim levou muito tempo para ser construído, mais de 30 anos. Eu o fiz junto com Dicky Mommsen. Tudo o que se vê no vídeo nós que plantamos. É uma obra de vida. O vídeo é um pouco espiritual e um pequeno ‘oi’ para Dicky Mommsen que não pôde estar presente para ver esta exposição”.

Ótimo sabermos que ainda temos tempo, quem sabe até 2019, de curtir de perto a exposição!

“JIL SANDER: PRESENT TENSE” EXHIBITION AT MUSEUM ANGEWANDTE KUNST IN FRANKFURT from BONAVERI on Vimeo.

Exposição no MUSEUM OF APPLIED ART, FRANKFURT
Exposição no MUSEUM OF APPLIED ART, FRANKFURT
Dicky Mommsen & Jil Sander
Dicky Mommsen & Jil Sander
Exposição no MUSEUM OF APPLIED ART, FRANKFURT
Dicky Mommsen & Jil Sander

Comente pelo Facebook
Comente pelo blog
  1. Vera Balteiro
    em 19 de abril de 2018 - 20h26

    Roberta, adorei a matéria de hoje.
    As roupas de Jil Sander me remeteram as da N 10.show!!!
    Parabéns !!!

Voltar para o Topo